User Tag List

Pagina 1 di 2 12 UltimaUltima
Risultati da 1 a 10 di 12
Like Tree3Likes

Discussione: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

  1. #1
    Сардиния
    Data Registrazione
    12 Nov 2009
    Località
    Терранова
    Messaggi
    7,131
    Mentioned
    60 Post(s)
    Tagged
    1 Thread(s)

    Predefinito Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Basta con la sottomissione all’Unione Europea e all’euro!
    di Jerónimo de Sousa, Segretario generale del Partito Comunista Portoghese | da Avante.pt





    Traduzione di Marx21.it
    “Basta con la sottomissione all’Unione Europea e all’Euro” è la parola d’ordine della campagna lanciata dal Partito Comunista Portoghese e dell’importante comizio del suo Segretario generale, svoltosi a Queluz, il 5 luglio 2016. Di seguito, proponiamo i passaggi centrali della sintesi dell’intervento di Jerónimo de Sousa pubblicata in “Avante!”, settimanale dei comunisti portoghesi.




    (…) “Mai come oggi si impone di dare forza e concretizzare questa parola d’ordine”, ha esordito Jerónimo de Sousa, rilevando che “è da molto tempo che il Paese si trova a un bivio che esige di scegliere tra continuare il doloroso e accidentato cammino che ci ha portato all’impoverimento e alla persistente crisi che la politica nazionale di sottomissione all’UE e all’euro impone, o avviare un nuova percorso con un’altra politica, patriottica e di sinistra, capace di promuovere lo sviluppo del Paese e affermare il diritto del nostro popolo a decidere del suo futuro”.


    Un percorso di vera e propria rottura con la politica fino ad ora seguita dai governi PSD, CDS e PS e dall’Unione Europea, progettata per servire i grandi monopoli e i grandi interessi nazionali e stranieri e non i popoli”, ha proseguito il Segretario generale del Partito, su cui “non esiste manovra propagandistica che possa eludere i risultati disastrosi del processo di integrazione capitalista dell’UE nella vita dei popoli e per paesi come il Portogallo”.


    La moneta unica “ha inaugurato il più lungo ciclo di stagnazione economica con significativi periodi recessivi e di distruzione della ricchezza mai recuperati” come pure una “acuta offensiva” di “attacco ai redditi da lavoro, ai diritti lavorativi e alle funzioni sociali dello Stato”. Un “tempo di particolare violenza sui lavoratori e il popolo”, ha accusato, lamentando che “la realtà sta a dimostrare quanto fallaci fossero i discorsi che dall’adesione alla CEE (…) garantivano maggiore coesione economica e sociale e al Portogallo un posto “in prima fila”.



    Uscire per vincere


    Il PCP non si è mai illuso e “oggi sono molti quelli che ci danno ragione quando affermavamo che [i trattati di] Maastricht e Nizza, l’Unione Economica e Monetaria, l’euro, il Trattato di Lisbona, l’approfondimento della natura neo-liberista, militarista e federalista dell’Unione Europea, avrebbero collocato il Portogallo in una situazione di dipendenza insopportabile e sulla china della distruzione e del collasso nazionale”, ha anche ricordato Jerónimo de Sousa, prima di accusare la politica dominante nell’UE di centralismo e autoritarismo, di colonizzazione economica e “di essere alla base del risorgere della xenofobia e della crescita di forze reazionarie e di estrema destra”.


    Il dirigente comunista ha sottolineato che “la vittoria dell’uscita dall’UE nel referendum nel Regno Unito” è stata “una vittoria sulla paura, sull’inevitabilità, la sottomissione e il catastrofismo” e che rappresenta “un livello più avanzato nella lotta contro l’UE del grande capitale e delle grandi potenze”.


    Il trionfo del cosiddetto brexit rappresenta, inoltre, “un’opportunità per affrontare e risolvere i reali problemi dei popoli, mettendo in discussione tutto il processo di integrazione capitalista dell’UE e aprendo un nuovo e diverso percorso di cooperazione basato sua stati sovrani e uguali in diritti”, ha sottolineato il Segretario generale del PCP.


    In tal senso ha difeso “la convocazione urgente di un vertice intergovernativo con l’obiettivo della consacrazione istituzionale della reversibilità dei trattati, della sospensione immediata e della revoca del Trattato di Bilancio, e anche della revoca del Trattato di Lisbona”.


    “in un contesto in cui si evidenzia in modo incontrovertibile che l’UE non risponde ai bisogni dei lavoratori e dei popoli” è urgente pure che il Portogallo sia “preparato a liberarsi dalla sottomissione all’euro”, ha continuato Jerónimo de Sousa.


    “Il Portogallo, con la moneta unica, perde e ipoteca il futuro” nella misura in cui questa “è una moneta adeguata alle necessità e agli interessi dell’alta finanza europea e dei grandi gruppi economici europei” e che, allo stesso tempo, “priva gli stati degli strumenti monetario, finanziario, di cambio e di bilancio” determinanti nella promozione di “uno sviluppo che tenga conto delle realtà nazionali”.


    “Non possiamo fare finta che il problema non esista!”, ha avvertito, sottolineando anche che “recuperare la sovranità monetaria è scongiurare il disastro” e che il PCP propone l’uscita dall’euro in combinazione con misure come la rinegoziazione del debito pubblico, e il controllo pubblico delle banche garantendo l’emissione di moneta sovrana e “riorientando le loro attività al finanziamento produttivo piuttosto che a quello speculativo”.
    (…)

    fontelink
    amaryllide likes this.

    •   Alt 

      TP Advertising

      advertising

       

  2. #2
    Сардиния
    Data Registrazione
    12 Nov 2009
    Località
    Терранова
    Messaggi
    7,131
    Mentioned
    60 Post(s)
    Tagged
    1 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    il testo completo in lingua portoghese


    Jerónimo de Sousa em comício em Queluz
    Basta de submissão
    «Basta de submissão à União Europeia e ao euro» é uma consigna que talvez como nunca hoje se impõe em nome do interesse dos trabalhadores, do povo, do desenvolvimento do País, da soberania e independência nacionais», afirmou Jerónimo de Sousa num comício realizado em Queluz, Sintra.



    Quando esta edição do Avante! estiver nas bancas, já o leitor saberá do resultado do desafio das meias-finais do Campeonato da Europa de Futebol (Euro) entre o País de Gales e Portugal, agendado para as 20h00 de ontem, quarta-feira, 6 de Julho. O sortilégio do calendário do torneio ditou não apenas que assim fosse, mas ainda que o comício do PCP, no passado dia 30, em Queluz, Sintra, ocorresse quando a selecção nacional de futebol disputava com a congénere polaca o acesso a esta meia-final.O Partido decidiu, por isso, concretizar a iniciativa política da passada quinta-feira somente depois de terminada a refrega entre as equipas de Portugal e da Polónia. Muitos dos que por volta das 23h00 encheram o Salão dos Bombeiros Voluntários de Queluz para ouvir o Secretário-geral do PCP estiveram, antes, a assistir ao jogo nas instalações daquela associação humanitária.Todos estavam a torcer pela vitória de Portugal. Uns mais efusivos do que outros, como aliás é habitual. O facto é que o carácter de massas do futebol esteve ali presente em muito do seu saudável esplendor.Além das quatro linhasO futebol é porém um jogo. O desfecho daquele que se desenrolou entre Portugal e a Polónia, faz hoje uma semana (como o que ontem opôs nas quatro linhas o País de Gales e Portugal), nada altera de substancial na vida colectiva, pesem as legítimas mas transitórias manifestações de alegria pelos triunfos, ou as não menos efémeras tristeza e angústia quando de derrotas se trata.Pelo contrário, a vida de um povo e de um País, não é um jogo. O outro euro, a moeda que anda na boca de todos mas falta nos bolsos da maioria, tem igualmente duas faces como as emoções que se podem expressar ao assistir a um jogo de futebol. Contudo, o nosso País e ao nosso povo não podem conservar a respeito do euro-moeda vivências favoráveis e sentimentos de fundamentada esperança, somente sofrimento e angústia.A isso mesmo aludiu Jerónimo de Sousa no comício em Queluz, realizado sob a bandeira da campanha nacional que o PCP está a promover com o lema «Basta de submissão à União Europeia e ao euro».«Talvez nunca como hoje se impôs dar força e materializar essa consigna», começou por dizer, considerando que «há muito que o País se encontra numa encruzilhada que exige optar entre continuar o doloroso e arrastado caminho que nos tem conduzido ao empobrecimento e a uma persistente crise que a política nacional de submissão à UE e ao euro impõe, ou encetar um novo rumo com uma outra política, patriótica e de esquerda, capaz de promover o desenvolvimento do País e afirmar o direito do nosso povo a decidir do seu futuro».«Um caminho de verdadeira ruptura com o rumo até hoje seguido por sucessivos governos de PSD, CDS e PS e pela União Europeia, concebida para servir os grandes monopólios e os grandes interesses nacionais e estrangeiros e não os povos», prosseguiu o Secretário-geral do Partido, para quem «não há manobra propagandista que iluda os resultados desastrosos do processo de integração capitalista da UE na vida dos povos e para países como Portugal».A moeda única «inaugurou o mais longo ciclo de estagnação económica com significativos períodos recessivos e de destruição de riqueza nunca recuperados», assim como uma «aguda ofensiva» de «ataque aos rendimentos do trabalho, aos direitos laborais e às funções sociais do Estado». Um «tempo de particular violência sobre os trabalhadores e o povo», acusou, lamentando que «a realidade está a demonstrar quanto falaciosos eram os discursos que desde a adesão à CEE (...) garantiam mais coesão económica e social e a Portugal um lugar no “pelotão da frente”».Sair a ganharO PCP nunca se iludiu e «hoje são muitos os que nos dão razão quando afirmávamos que [os tratados de] Maastricht e Nice, a União Económica e Monetária, o euro, o Tratado de Lisboa, o aprofundamento da natureza neoliberal, militarista e federalista da União Europeia, iam colocar Portugal numa situação de dependência insuportável e numa trajectória de destruição e afundamento nacional», lembrou ainda Jerónimo de Sousa, antes de acusar a política dominante na UE de centralismo e autoritarismo, de colonização económica e de «estar na origem do ressurgimento da xenofobia e do crescimento de forças reaccionárias e de extrema-direita».O dirigente comunista salientou, depois que «a vitória da saída da UE no referendo no Reino Unido», foi «uma vitória sobre o medo, as inevitabilidades, a submissão e o catastrofismo» e «um novo patamar na luta contra a UE do grande capital e das grandes potências».O triunfo do chamado brexit, constitui, além do mais, «uma oportunidade para se enfrentarem e resolverem os reais problemas dos povos, questionando todo o processo de integração capitalista da UE e abrindo um novo e diferente caminho de cooperação baseado em estados soberanos e iguais em direitos», frisou o Secretário-geral do PCP.Nesse sentido, defendeu «a urgente convocação de uma cimeira intergovernamental com o objectivo da consagração institucional da reversibilidade dos tratados, da suspensão imediata e revogação do Tratado Orçamental, bem como da revogação do Tratado de Lisboa».«Num quadro em que se evidencia de forma incontornável que a UE não responde às necessidades dos trabalhadores e dos povos», é igualmente urgente que Portugal esteja «preparado para se libertar da submissão ao euro», salientou igualmente Jerónimo de Sousa.«Portugal, com a moeda única, perde e hipoteca o futuro» na medida em que esta «é uma moeda adequada às necessidades e aos interesses da alta finança europeia e dos grandes grupos económicos europeus», e em que, simultaneamente, «priva os estados dos instrumentos monetário, financeiro, cambial e orçamental» determinantes na promoção de «um desenvolvimento que leve em conta as realidades nacionais».«Não podemos fazer de conta que o problema não existe!», alertou, sublinhando depois que «recuperar a soberania monetária é recusar o desastre», e que o PCP propõe a saída do euro articulada com medidas como a renegociação da dívida pública (ver caixa), e o controlo público da banca, garantindo a emissão de moeda soberana e «reorientando a sua actividade para o financiamento produtivo em vez de especulativo».



    Rejeitar sanções
    O comício em Queluz ocorreu quando a possibilidade da imposição de sanções a Portugal por incumprimento do limite do défice nas contas públicas domina a agenda política. A jogar ao ataque, o Secretário-geral do PCP notou que «os mais recentes desenvolvimentos da UE não só evidenciam um cenário de profunda crise e de acentuação da instabilidade, com o aprofundamento de todas as suas contradições, como revelam a persistência nas mesmas políticas de exploração, empobrecimento e submissão, que têm vindo a ser conduzidas e que desmentem a ideia que está em curso um processo de uma “viragem”».
    «Desmentido bem patente nas ameaças das chamadas sanções a Portugal e a Espanha», recordou, considerando que a «arrogância» é o «disfarce de quem se quer mostrar forte perante o desaire de uma UE onde são cada vez mais patentes e se manifestam elementos de desagregação».Quanto ao eventual sancionamento de Portugal, Jerónimo de Sousa exortou o Governo a rejeitá-las «de forma firme e decidida», tal como «deve rejeitar, em nome de Portugal, toda a teia de imposições e mecanismos de policiamento de que as “sanções” são uma expressão e consequência».«É bom lembrar que a Assembleia da República já se pronunciou contra a possibilidade de aplicação de “sanções” a Portugal». Essa é uma das razões pela qual o Secretário-geral do PCP repudiou a proposta do BE de sufragar a contestação das sanções. O Governo português «está mandatado» e «tem todas as condições e obrigação de rejeitar firmemente esses ataques contra o povo e o País», afirmou.«A resposta coerente a todas as chantagens não deve ser a de pôr em hipótese a sua aceitação e legitimação, mas sim, a exigência da imediata suspensão e revogação, ou a desvinculação de Portugal de todos os instrumentos de que são corolário», vincou.




    Sair da linha de águaNo quadro da insubmissão à UE e da saída do euro, o PCP considera que a renegociação da dívida é outra necessidade estrutural. «Portugal não pode pagar anualmente em juros quase tanto ou mais do que gasta em Saúde e Educação», exemplificou Jerónimo de Sousa, que insistiu, por isso, na necessidade de uma renegociação da dívida «que reduza substancialmente o volume de encargos anuais e o endividamento externo, liberte fundos para o investimento e as funções sociais do Estado, e estanque a sangria de recursos para o estrangeiro».Mas não basta combater o endividamento, é preciso «combater as causas do endividamento» e «pôr o País a produzir e a crescer», alertou, precisando a importância de recuperar os atrasos verificados nestes últimos anos, incentivar a produção nacional e a sua diversificação, e garantir condições de vida digna para os portugueses.«A submissão ao euro, a dívida colossal, a dominação monopolista da banca, são três mecanismos de dependência e de sujeição ao grande capital financeiro, aos grandes grupos económicos europeus, que deles beneficiam», e «Portugal precisa de dotar-se dos meios e dos instrumentos para vencer o atraso e o subdesenvolvimento, a dependência e a actual vulnerabilidade. Isso implica enfrentar a União Europeia, que condiciona a nossa capacidade de produzir, a nossa liberdade de distribuir a riqueza criada, a nossa capacidade e a nossa liberdade de escolhermos o caminho que, enquanto povo, queremos seguir», reiterou.«O povo português não está condenado a um presente e futuro de dependência e submissão». É possível «a abertura de novos caminhos de desenvolvimento económico e social que (...) garantam aos trabalhadores e ao povo português o direito ao seu desenvolvimento, à dignidade e à justiça social.«Assumindo as suas responsabilidades perante os trabalhadores e o povo, o PCP, com as suas propostas e a sua acção, afirma-se como força agregadora da convergência dos democratas e patriotas, e força protagonista da alternativa de que Portugal precisa», concluiu.
    fontelink
    amaryllide likes this.

  3. #3
    Сардиния
    Data Registrazione
    12 Nov 2009
    Località
    Терранова
    Messaggi
    7,131
    Mentioned
    60 Post(s)
    Tagged
    1 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    in particolare è di interessante valore questo passaggio ...


    Il PCP non si è mai illuso e “oggi sono molti quelli che ci danno ragione quando affermavamo che [i trattati di] Maastricht e Nizza, l’Unione Economica e Monetaria, l’euro, il Trattato di Lisbona, l’approfondimento della natura neo-liberista, militarista e federalista dell’Unione Europea, avrebbero collocato il Portogallo in una situazione di dipendenza insopportabile e sulla china della distruzione e del collasso nazionale”, ha anche ricordato Jerónimo de Sousa, prima di accusare la politica dominante nell’UE di centralismo e autoritarismo, di colonizzazione economica e “di essere alla base del risorgere della xenofobia e della crescita di forze reazionarie e di estrema destra”.


    ...come dargli torto!!!
    amaryllide likes this.

  4. #4
    bronsa querta
    Data Registrazione
    31 Mar 2009
    Messaggi
    56,556
    Mentioned
    265 Post(s)
    Tagged
    25 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Siamo messi benissimo.
    C. De Gaulle: "l'Italia non è un paese povero. E' un povero paese".

  5. #5
    SOCIALISTA ILLIBERALE
    Data Registrazione
    23 Nov 2011
    Località
    Ενότρια / Socialnazionalismo bolscevizzante
    Messaggi
    27,831
    Mentioned
    416 Post(s)
    Tagged
    116 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Citazione Originariamente Scritto da Garat Visualizza Messaggio
    Siamo messi benissimo.
    No, siamo favolosi noi in Italia che ci sono rimasti solo il PD e SEL...

    «Basta de submissão à União Europeia e ao euro» é uma consigna que talvez como nunca hoje se impõe em nome do interesse dos trabalhadores, do povo, do desenvolvimento do País, da soberania e independência nacionais."

    Finalmente qualcosa d Sinistra!
    "Fate della Nazione la causa del popolo e la causa del popolo sarà quella della Nazione."-Lenin
    "Solo i ricchi possono permettersi il lusso di non avere Patria."- Ledesma Ramos
    Israele è il Male Assoluto
    IGNORE LIST : li ammazza stecchiti!

  6. #6
    bronsa querta
    Data Registrazione
    31 Mar 2009
    Messaggi
    56,556
    Mentioned
    265 Post(s)
    Tagged
    25 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Citazione Originariamente Scritto da Kavalerists Visualizza Messaggio
    No, siamo favolosi noi in Italia che ci sono rimasti solo il PD e SEL...

    «Basta de submissão à União Europeia e ao euro» é uma consigna que talvez como nunca hoje se impõe em nome do interesse dos trabalhadores, do povo, do desenvolvimento do País, da soberania e independência nacionais."

    Finalmente qualcosa d Sinistra!
    Mi spieghi come il dire "europa causa di tutti i mali" sia di sinistra?
    C. De Gaulle: "l'Italia non è un paese povero. E' un povero paese".

  7. #7
    SOCIALISTA ILLIBERALE
    Data Registrazione
    23 Nov 2011
    Località
    Ενότρια / Socialnazionalismo bolscevizzante
    Messaggi
    27,831
    Mentioned
    416 Post(s)
    Tagged
    116 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Citazione Originariamente Scritto da Garat Visualizza Messaggio
    Mi spieghi come il dire "europa causa di tutti i mali" sia di sinistra?
    1- Intanto è' uno slogan, e come tu ben sai gli slogan sintetizzano, altrimenti sarebbero altro.
    2 - Invece è il punto della tua domanda che va rovesciato: come fa ad essere di sinistra la totale sottomissione ad un potere sovranazionale, le cui conseguenze sono esattamente ed innegabilmente quelle descritte nel post iniziale, e non solo per il Portogallo? E il negarlo sarebbe di sinistra?
    "Fate della Nazione la causa del popolo e la causa del popolo sarà quella della Nazione."-Lenin
    "Solo i ricchi possono permettersi il lusso di non avere Patria."- Ledesma Ramos
    Israele è il Male Assoluto
    IGNORE LIST : li ammazza stecchiti!

  8. #8
    bronsa querta
    Data Registrazione
    31 Mar 2009
    Messaggi
    56,556
    Mentioned
    265 Post(s)
    Tagged
    25 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Citazione Originariamente Scritto da Kavalerists Visualizza Messaggio
    1- Intanto è' uno slogan, e come tu ben sai gli slogan sintetizzano, altrimenti sarebbero altro.
    2 - Invece è il punto della tua domanda che va rovesciato: come fa ad essere di sinistra la totale sottomissione ad un potere sovranazionale, le cui conseguenze sono esattamente ed innegabilmente quelle descritte nel post iniziale, e non solo per il Portogallo? E il negarlo sarebbe di sinistra?
    Ti faccio presente che uno dei sinonimi di marxismo è internazionalismo.
    Il nazionalistmo è "roba" di destra.
    C. De Gaulle: "l'Italia non è un paese povero. E' un povero paese".

  9. #9
    Klassenkampf ist alles!
    Data Registrazione
    31 May 2009
    Messaggi
    31,177
    Mentioned
    592 Post(s)
    Tagged
    30 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Citazione Originariamente Scritto da Garat Visualizza Messaggio
    Ti faccio presente che uno dei sinonimi di marxismo è internazionalismo.
    Il nazionalistmo è "roba" di destra.
    internazionalismo PROLETARIO, non dei padroni. Se non capisci la differenza...

  10. #10
    bronsa querta
    Data Registrazione
    31 Mar 2009
    Messaggi
    56,556
    Mentioned
    265 Post(s)
    Tagged
    25 Thread(s)

    Predefinito Re: Partito Comunista Portoghese: Basta con la sottomissione alla UE ed Euro

    Citazione Originariamente Scritto da amaryllide Visualizza Messaggio
    internazionalismo PROLETARIO, non dei padroni. Se non capisci la differenza...
    Non mi pare di aver scritto dei padroni da nessuna parte.
    C. De Gaulle: "l'Italia non è un paese povero. E' un povero paese".

 

 
Pagina 1 di 2 12 UltimaUltima

Discussioni Simili

  1. Il Partito Comunista Spagnolo per l'uscita dalla UE e dall'euro
    Di amaryllide nel forum Politica Europea
    Risposte: 0
    Ultimo Messaggio: 03-06-16, 22:15
  2. Risposte: 4
    Ultimo Messaggio: 19-12-15, 19:32
  3. Il partito comunista cipriota (AKEL): fuori Cipro dall'Euro.
    Di seven77 nel forum Politica Europea
    Risposte: 1
    Ultimo Messaggio: 23-07-13, 00:29
  4. DICHIARAZIONE PARTITO COMUNISTA PORTOGHESE.
    Di danko nel forum Comunismo e Comunità
    Risposte: 2
    Ultimo Messaggio: 28-07-10, 22:59
  5. Risposte: 1
    Ultimo Messaggio: 27-02-08, 01:51

Permessi di Scrittura

  • Tu non puoi inviare nuove discussioni
  • Tu non puoi inviare risposte
  • Tu non puoi inviare allegati
  • Tu non puoi modificare i tuoi messaggi
  •  

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226